Constipação vs Gripe, por Anabela Magalhães

Anabela Magalhães

 

#lover

Anabela Magalhães

Licenciatura em Farmácia

 

 

 

 

Estando o inverno à porta e a época das gripes e das constipações oficialmente aberta, não me ocorreu melhor tema que este. Assim, pretendo clarificar os conceitos de constipação e de gripe que tantas vezes são usados como sinónimos, mas que na realidade apresentam diferenças.

É uma constipação ou uma gripe?

Tem o nariz entupido, a garganta a arranhar e a cabeça a doer? É uma constipação ou uma gripe? Na realidade são ambas infeções respiratórias, cujos sintomas podem sobrepor-se daí a confusão gerada entre estas duas doenças. No entanto, são causadas por diferentes vírus e, como tal, os sintomas e a melhor abordagem perante cada uma delas são também diferentes

foto1-anabela

Constipação

A constipação é uma infeção, habitualmente ligeira, das vias respiratórias superiores. É transmitida, geralmente, de pessoa para pessoa e através do contacto com as secreções respiratórias da pessoa infetada. A transmissão pode fazer-se através do contacto direto com essas gotículas (nomeadamente através das mãos), ou basta até que a pessoa doente fale muito perto de alguém, espirre ou tussa para que a transmissão se dê.

Assim, e tendo em conta as vias de transmissão, facilmente se percebe que a adoção de medidas simples, como a lavagem frequente das mãos com água e sabão e espirrar ou tossir para um lenço de papel ou para o antebraço, são eficazes para evitar o contágio.

No que respeita aos sintomas, surgem de forma gradual e os mais comuns são:

  • Dor de garganta e/ou cabeça
  • Espirros
  • Tosse ligeira
  • Congestão e corrimento nasal intenso (nariz entupido e “pingo” no nariz)
  • Diminuição ou perda temporária do paladar e do olfato
  • Olhos lacrimejantes
  • Eventualmente, febre baixa

O tratamento das constipações baseia-se essencialmente no alívio dos sintomas. Recomenda-se repouso, ingestão de líquidos (água, chá/infusões e sumos naturais) e evitar exposições ao frio e a ambientes com fumo (não fumar, caso seja fumador). Pode ainda recorrer-se ao uso de fármacos e de produtos farmacêuticos para ajudar no alívio mais rápido de alguns sintomas. Assim, a utilização de soro fisiológico ou de um descongestionante nasal para aliviar a obstrução nasal, a toma de um antitússico para atenuar a tosse e a toma de um analgésico/antipirético (por exemplo paracetamol) para aliviar as dores e/ou baixar a febre são outras das medidas que se podem adotar para que os sintomas abrandem e desapareçam.

foto2-anabela

De salientar que existem determinados grupos de pessoas mais suscetíveis às constipações, nomeadamente as crianças, os fumadores e pessoas com doenças respiratórias crónicas. Estes grupos devem ter atenção redobrada e não descurar a adoção das medidas que evitam o contágio.

Gripe

A gripe é uma doença viral aguda das vias respiratórias. Tal como na constipação, o vírus da gripe transmite-se por contacto direto com as secreções de alguém infetado (por exemplo, quando as mãos tocam em objetos que tenham ficado contaminados) ou através de espirros ou tosse, em que a pessoa doente expele gotículas.

As medidas utilizadas na prevenção da gripe podem assemelhar-se às da prevenção da constipação: lavagem frequente da mãos com água e sabão (usar toalhetes se não puder lavar as mãos) e tossir/espirrar pfoto3-anabelaara o antebraço ou para um lenço. No entanto, para a gripe existe uma vacina e esta é a melhor arma de prevenção desta patologia. A vacinação contra a gripe é anual e deve fazer-se preferencialmente nos primeiros meses de outono (outubro/novembro) de modo a que a pessoa fique protegida durante o pico da atividade gripal que se dá entre novembro e fevereiro. Devem tomar a vacina as pessoas que apresentam um risco superior de complicações depois da doença: idade igual ou superior a 65 anos, pessoas que sofram de doenças crónicas dos pulmões, coração, rins ou fígado (com exceção de bebés com menos de seis meses), diabéticos e pessoas que apresentem patologias que diminuam a resistência às infeções.

 

No que respeita aos sintomas, os mais frequentes são mal-estar repentino, dores musculares/articulares e de cabeça, febre alta e olhos inflamados. Para aliviar estas queixas também se recomenda o repouso em casa, a ingestão de bastantes líquidos ao longo do dia e a toma de paracetamol para baixar a febre e aliviar as dores. Se os sintomas persistirem (nomeadamente a febre não ceder) deve recorrer-se ao médico assistente a fim de avaliar a necessidade de uso de um medicamento antivírico, uma vez que as gripes quando não tratadas devidamente podem trazer complicações como por exemplo a pneumonia.

Segue-se um quadro resumo que compara os sintomas das duas patologias:quadro

Para finalizar, quero deixar apenas duas notas importantes. A primeira é relativa a um erro muito comum que se comete e que consiste na toma de antibióticos/antibacterianos para tratamento de constipações e gripes. Os antibióticos atuam nas bactérias e não nas infeções provocadas por vírus, como estas que estamos a falar. Assim, nunca usar um antibiótico quando está com gripe ou constipação, pois este não irá contribuir foto-anabelaem nada para o tratamento da mesma e apenas deve tomar os medicamentos prescritos pelo médico.

A segunda nota visa apenas ressalvar que a lavagem das mãos é um passo tão simples e dos mais eficazes para a evitar a propagação destas infeções e portanto devemos fazê-lo frequentemente.

 

foto

Leave a Reply