Post para alérgicos

Quando a Primavera chega, o sol desperta, a temperatura começa a aquecer e é tudo belo até que as flores desabrocham e acontece o quê? Pois é, o nosso amigo pólen resolve espalhar-se pela atmosfera. E com ele descai, igualmente, aquele pó verde como se de neve se tratasse. E quem se junta à festa? Claro, aqueles pelinhos brancos – desconheço o termo técnico e irritam-me tanto que nem me dou ao trabalhar de os googlar – que enlouquecem qualquer um.

É nesta alturas que fico tentada a declarar estado de emergência e a ficar barricada em casa até que a Primavera vá à sua vidinha. Ou então, começo a pensar em adquirir uma estufa e viver tipo nenúfar. Como ambas as hipóteses estão a anos-luz da razoabilidade, resta-nos rezar à Santa Padroeira dos Alérgicos e dos Asmáticos – se não há, acabei de inventar – e sair à rua. E o resultado qual é? Olhos lacrimejantes, nariz entupido, voz nasalada, tosse, tosse e mais tosse.

E é nestas alturas em que:

– Aprendes a dormir sentado. Qualquer tentativa de permanecer na horizontal induz um sério risco de cuspir um pulmão;

– Ficas com as extremidades do nariz tão irritadas que já nem aguentas que um mero lenço de papel ali encoste. Na tentativa de cicatrizar os tecidos, colocas um qualquer creme hidratante no nariz que dura não mais do que 2 minutos. É que logo depois as tuas narinas entram novamente em erupção e, ou limpas, ou o cenário não será bonito. E o ciclo repete-se várias vezes ao longo do dia;

– Os níveis de irritabilidade ascendem a picos inimagináveis, já que a tua amiga tosse resolve atacar sempre que o João Pestana aparece;

– (atenção, conteúdo nojento) Levas uma toalhinha para a cama onde vais debitando as montanhas de expectoração que se instalaram no teu organismo. Não é bonito, mas que levante a mão o alérgico/asmático que nunca o fez;

– Vês-te na obrigação de interromper reuniões importantes porque a tosse está ali prestes a explodir, apesar de enfrascares litros de água para molhar a garganta. Nots to the editor: Num belo momento do #IstoDeSerJornalista, lá estava eu a fazer uma entrevista em formato vídeo, quando a tosse decide atacar. Engole, volta a engolir, bebe água. Até que não aguentei e faço sinal ao entrevistado para continuar enquanto me levanto e desato a correr para fora da sala para tossir. Claro que tivemos de gravar tudo outra vez porque a cara do entrevistado a falar para “o nada” era priceless.

– As pessoas que coabitam contigo têm pensamentos homicidas porque não pregam olho por causa do motor encravado da carroça;

– Nestas fases está proibida qualquer saída social. Ter um ataque de tosse durante um jantar romântico não é bonito. Ah, e esqueçam cinemas, ou corremos sérios riscos de ver o filme na porta.

 

E ao fim de uma semana a inalar corticosteroides lá melhoras. Até que os níveis de alergénicos no ar voltam a subir e o ciclo repete-se. Good luck, fellows.

Estamos juntos.

Leave a Reply